Ser criança é nos ensinar a sorrir para a vida

“Ser criança é achar que o mundo é feito de fantasias.

Ser criança é comer algodão doce e se lambuzar.

Ser criança é nos ensinar que a vida fica mais fácil com um simples sorriso.

É também nos ensinar que criança só precisa de carinho e afeto para ser feliz. “

 

Reflita um pouco sobre as  habilidades sociais ou emocionais que possuímos, de certo a maior parte delas não foi desenvolvida em cursos de aperfeiçoamento, treinamentos sofisticados ou com anos de estudo. Os elementos mais importantes de nossa personalidade, que nos ajudam a ser pessoas melhores -moral e emocionalmente- são construídos em casa, nas conversas ao redor de uma mesa de jantar, no trabalho em equipe para fazer o almoço sair mais rápido ou brincando com os irmãos no quintal.

A família não é só o “núcleo básico da sociedade”, como até a ONU reconhece, ela também é o ambiente onde se aprende a ser gente, de um modo como não se aprende em nenhum outro ambiente. Valores importantes como gentileza, persistência, sacrifício, perdão, paciência, são aprendidos no núcleo familiar.

No mundo atual, muitas famílias deparam-se com dúvidas em relação a comemoração do Dia das Crianças. São muitas reflexões sobre o significado da data e de como presentar sem se entregar totalmente ao consumismo e demonstrar amor através do presente.

Muitas vezes os pais acham que um jogo ou um brinquedo poderá suprir a ausência devido a grande quantidade de trabalho, mas a realidade é que tempo de qualidade com os filhos não podem ser substituídos! Os valores que são passados para as futuras gerações dependem de como vocês agirão diante das dificuldades diárias, um presente caro não ensinará ao seu filho o valor das coisas, mas um dia de interação pode ter impactos inimagináveis!

Para os pais, a data é um bom momento para lembrar que “ser mais presente” é mais importante que “dar muitos presentes”, até porque os momentos passados juntos vão ficar guardados para sempre na memória.

O Grupo Nono Miquele valoriza muito a família, somos fruto de tradições familiares e valorizamos o almoço em família , são momentos únicos de uniãoamor, valorização, respeito, aprendizado e felicidade !

Conheça nossos nossos restaurantes e descubra o ingrediente principal do cardápio: amor!

 

 

Quanto tempo dura seu almoço?

A maioria dos brasileiros almoça em menos de uma hora. Pelo menos isso é o que mostra pesquisa realizada pela empresa de benefícios Endenred com mais de 2500 trabalhadores em 14 países. No Brasil, de acordo com o levantamento, 37% dos trabalhadores gastam de 15 a 30 minutos com o horário de almoço. Outros 26% dizem levar menos de 45 minutos.

A CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) determina que o intervalo mínimo para o almoço seja de uma hora para quem tem jornada diária de seis horas ou mais de trabalho. Para jornadas de quatro a seis horas, o intervalo é de 15 minutos.

Os brasileiros têm por preferência um ambiente de almoço onde possam confraternizar e ter comida de qualidade.

No entanto, muitas pessoas consideram comer lentamente, saboreando cada mordida e sem distrações um luxo. É fundamental que façamos uma alimentação bem aproveitada, do contrário, não envia sinais ao cérebro com tempo suficiente para registrar que estamos satisfeitos. E isso aumenta em cinco vezes o risco de uma síndrome metabólica, caracterizada por um conjunto de fatores de risco relacionados a doenças cardiovasculares e diabetes, como obesidade, pressão alta e taxas elevadas de colesterol.

Os participantes da pesquisa foram divididos em três grupos, de acordo com a velocidade que ingeriam os alimentos. O resultado foi 11,6% daqueles que comiam mais rápido desenvolveram síndrome metabólica, bem acima dos índices observados nos outros dois grupos – entre os de velocidade média, o percentual foi de 6,5%, e os mais lentos, 2,3%. A síndrome metabólica tem como base a resistência à ação da insulina, responsável por regular o açúcar no sangue, o que obriga o pâncreas a produzir mais esse hormônio.

Nesse sentido, ao almoçar desfrute os sabores ali presentes, converse com os colegas de trabalho, mantenha o celular longe, esse é o cuidado mínimo que você pode fazer pelo seu corpo.

Lembre-se sua saúde no futuro depende da qualidade de vida que você constrói a partir de agora. O Grupo Miquele tem como objetivo oferecer refeições de qualidade e em ambientes onde você se sinta em casa.

Qual a diferença entre sentir fome e saciedade?

Sentir fome e saciedade

Existiram momentos em que você comeu mais do que precisava? Com qual frequência isso acontece? “Passar do ponto” faz parte do cotidiano de muitas pessoas, o outro extremo também é bastante comum, no qual pessoas que ignoram os sinais de fome, por conta de dietas e do uso de remédios para emagrecimento ou que até já não os percebem mais por causa de erros alimentares, como ficar muitas horas em jejum. Tendo em vista estas questões, esse artigo tem o objetivo de nos fazer refletir sobre a diferença de sentir fome e saciedade.

A importância de sentirmos fome ou saciedade se relaciona com a conexão com o próprio corpo, de modo a respeitá-lo e valorizá-lo para obtenção de qualidade de vida. Uma vez que as necessidades e sensações são bastante individuais, não há uma lista de regras quanto a isso. Ou seja, é preciso entender os recados que o corpo nos transmite para decidir quando e quanto devemos comer.

Atualmente vivemos em uma sociedade onde dietas e restrições alimentares são muito difundidas e incentivadas, e dessa maneira somos afastados das nossas sensações corporais como a da fome e da saciedade. Quando seguimos alguma dieta com quantidades e horários pré-definidos, por exemplo, não estamos respeitando nosso sinal de saciedade e de fome.

Já quando falamos em comer com prazer, é necessário entender que isso deveria envolver o respeito aos sinais do corpo e não comer em excesso, de maneira automática ou sem planejamento e consciência. O prazer nos ajuda a comer melhor, e não necessariamente a comer mais. A sensação do prazer em comer é geralmente confundida com permissividade alimentar. Sob essa lógica, quando estou  em dieta “devo sentir fome”, quando “não faço dieta” devo comer de tudo e bastante, é como um efeito colateral. Proibição e permissividade alimentares acabam acontecendo como causa e consequência da negligência com os sinais do corpo.

Por outro lado, a saciedade é um sinal físico, ligado diretamente à quantidade, enquanto que a satisfação está atrelada ao prazer em comer algo. Embora sejam conceitos diferentes, podem aparecer juntos. A grande oferta de comida, as dietas e os modismos alimentares são bons exemplos, e até hábitos amplamente difundidos como salutares não fazem sentido para todas as pessoas. Isso também faz com que a quantidade ingerida seja maior do que a necessária. Comer de uma maneira mais conectada aos sinais físicos nos leva a viver melhor e ter uma relação de cuidado genuíno com nosso corpo.

A prática de dietas restritivas e o uso de remédios para emagrecer não só levam a pessoa a ignorar os sinais do próprio corpo, mas também os altera artificialmente. Ignorar a fome e antecipar a saciedade de maneira não natural acaba desregulando as sensações físicas, é imprescindível respeitar o próprio corpo, o que também quer dizer comer com atenção e planejamento. Quanto mais dedicação e respeito tivermos ao ato de comer, mais intuitivo ele se tornará. Procurar profissionais coerentes e com experiência no assunto também poderá facilitar esse caminho.

Os restaurantes do Grupo Nono Miquele estão capacitados para atender suas demandas alimentares, acompanhe as opções de cardápio em nossas redes sociais no Facebook e Instagram.